05/08/09

Andei lendo: Maysa – Só numa multidão de amores – Lira Neto

Por Ana Carolina | Arquivado em cultura

9788525043030Estava super a fim de ler esse livro desde que assisti à série da Globo (Maysa – quando fala um coração) no começo do ano. Fiquei super feliz quando a me deu o livro. :) A biografia é bem gostosa de ler e se foca exclusivamente na Maysa: nada de falar em detalhes sobre o que acontece com o irmão dela, o filho (o diretor de novelas Jayme Monjardim), os pais.. nada. Já li muitas biografias que contam a história de toda a família do biografado, o que deixa o livro um pouco confuso às vezes, mas esse não é o caso dessa biografia. Pra quem não sabe, Maysa foi uma das cantoras de maior sucesso no país, na época que o samba-canção (fossa) estava na moda, nos anos 50 e 60. Chocou a sociedade da época ao trocar o casamento com um dos homens mais ricos do país (era um Matarazzo, né?) pela carreira de cantora. Chocou mais ainda ao assumir seu gosto pelo álcool e pelos muitos namorados. Foi uma das primeiras celebridades brasileiras à ter sua vida e escândalos totalmente expostos nas revistas de fofocas. Entre os namorados/rolos/peguetes da Maysa estavam Roberto Carlos, Jango Goulart (sim, o presidente!), Bôscoli (um grande fdp, que embarcou em um romance com ela por puro interesse e que a chamava de “la gorda” pelas costas), atores, anônimos… a mulher rodava a banca, sem querer saber o que os outros pensavam. O que achei mais legal foi a forma como todos viam a Maysa, especialmente os homens: uma mulher forte, sensual, misteriosa e absolutamente linda. Por que gostei disso? Na maior parte de sua vida, a cantora sempre esteve bem acima do peso ideal e isso não parecia importar muito para seus admiradores (exceto para o Bôscoli). Claro que ela não gostava dos tantos quilos a mais e sempre lutou contra a balança. Só conseguiu realmente emagrecer alguns anos antes de morrer.

Os olhos verdes (sua marca registrada), gorda mas super famosa e magra, pouco antes de morrer.

Os olhos verdes (sua marca registrada), gorda mas super famosa e magra, pouco antes de morrer.

O que menos gostei, foi que assim como quando assisti à série, cheguei à conclusão que Maysa era uma mulher extremamente egoísta, péssima mãe e carente de atenção. Acho que boa parte disso é culpa dos pais dela, que a deixavam fazer o que bem entendesse e muitas vezes trocavam o convívio com a filha pelas noitadas fora de casa. O vício pela bebida a acompanhou até o fim da vida e era um verdadeiro drama: quando bebia, Maysa ficava agressiva, louca. Chegou a fazer alguns tratamentos para largar o álcool, mas sempre voltava a beber. Quando morreu estava testando um novo método e realmente conseguiu largar a bebida, mas a trocou pelos remédios para emagrecer (anfetaminas) e outros. Acho que já falei por aqui que gosto muito de música antiga e ler o livro me deu vontade de pesquisar bastante sobre a Maysa. Descobri uma intrérprete maravilhosa, com uma voz linda. Uma compositora sofrida, bem fossa mesmo. Adorei e já incorporei algumas músicas dela à minha playlist de todo dia. Pra quem nunca ouviu nada, dois vídeos:

Dando uma patada no apresentador japonês, antes de cantar um de seus grandes sucessos: Meu mundo caiu

… e cantando com Gal Costa no Fantástico.

9 comentários | Adicione o seu

  1. Sempre vem aqui e já comentou 84 vezes. ;)

    Aug 05, 2009 @ 16:26 {Reply}

    Esse livrooooo gente queroo já
    deve ser superrr bom

  2. Sempre vem aqui e já comentou 60 vezes. ;)

    Aug 05, 2009 @ 16:45 {Reply}

    Está há um tempão na minha lista de “próximo” rssss
    Que bom que você gostou, fico super feliz! :)

  3. Sempre vem aqui e já comentou 13 vezes. ;)

    Aug 05, 2009 @ 16:56 {Reply}

    Maysa é encantadora mesmo, só assisti a minisserie, não tive a oportunidade de ler nada a seu respeito! mas a sua discrição me deu vontade de ler ;x hahah beijos!

  4. Sempre vem aqui e já comentou 46 vezes. ;)

    Aug 05, 2009 @ 19:20 {Reply}

    Adoro Maysa, adorei o seriado! Demais!!!

  5. Sempre vem aqui e já comentou 140 vezes. ;)

    Aug 05, 2009 @ 23:57 {Reply}

    Eu vi uns pedaços do seriado, mas não me prendeu não…
    Axo difícil querer ler esse livro, eu não sou mto chegada a livros biografia ou coisas do genero…quem eu pense agora os únicos dois que estão na minha lista são o do wal disney e do michael jackson ^^

    Boa quintaaaa

    Miquilisssss

    Pode dexa q se eu ver vc online eu vou atrás de ti hehehe

  6. Já comentou 9 vezes. Eba!

    Aug 06, 2009 @ 13:54 {Reply}

    Ahh, eu me interessei em saber da história dela na época do seriado, mas não sabia que tinha uma biografia publicada (:

    Sem dúvidas ela tinha uma voz maravilhosa e foi uma mulher marcante na história da música e sociadade brasileira (:

  7. Sempre vem aqui e já comentou 62 vezes. ;)

    Aug 06, 2009 @ 17:09 {Reply}

    Concordo que ela era egoísta, péssima mãe e carente de atenção, mas aposto que meio mundo de mulheres queriam ser como ela! Ô mulherzinha poderosa, viu? :P
    Num sabia nem que esse livro existia, acredita? Mas agora quero ler! Hehehe (Ê novidade! :P)
    :*

  8. Comentou pela primeira vez, boas vindas!

    Aug 10, 2009 @ 00:24 {Reply}

    A minha mãe amava a Maysa, e tal qual ela, era louca: audaciosa, fazia o que vinha na veneta, alcoólatra e artista, fazia batik, pintava… , e acreditem, esse tipo de comportamento não é nada encantador, desejável ou bonito por mais que se admire a artista. É uma doença, que se chama hoje em dia de Bi-Polar, antigo Paranóico-Maniaco-Depressivo. Nenhum parente de pessoa portadora de tal doença ama esse convívio. Ela não tinha noção das coisas, a cena em que ela fez o filho passar a noite numa boate morrendo de sono e cansaço é a comprovação, entre todas outras atitudes e abandonos impensados. Ah! Em tempo, eles não sentem culpa, e por isso parecem egoístas e cruéis.

  9. Sempre vem aqui e já comentou 303 vezes. ;)

    Aug 18, 2009 @ 23:07 {Reply}

    Mais um pra minha imensa lista de livros que um dia eu quero ter tempo pra ler…

Comentar





  • * requerido
  • Seu e-mail não será publicado